terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Dedicado à estrela


                                        "As melhores estrelas nem sempre são as maiores,
                                               Mas os maiores amores são os melhores."

                                                                         Gabriela Duarte.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Ouve.

 
"Ouve-me, ouve o meu silêncio. O que falo nunca é o que falo e sim outra coisa. Capta essa outra coisa de que na verdade falo porque eu mesma não posso."
                                                               Clarice Lispector.

domingo, 12 de dezembro de 2010

Frisson


O corpo, o rosto, os dentes e os cabelos...
Que se apresentam à frente dos meus olhos,
Me causam estranhas sensações...
É como se alguém estivesse a tocar meus órgãos
com as próprias mãos e a segurar
com força, de tal maneira à puxá-los todos
Brutalmente, de uma só vez para baixo,
Assim sinto que se desprendem minhas
Veias e Artérias, me causando um intenso calor interno,
Imiscível aos outros calores comuns.
Chega a ser indômito!
E esse calor transcende minha epiderme, molhando
Os pêlos do meu corpo de suor, ao que me parece,
que esta mesma mão de força inexpugnável,
Insiste em apertar meu coração e forçá-lo contra
Meus pulmões, o que explica a respiração acelerada e o
"Aperto no peito", porém essa sensação
é tão rápida que deve chegar, no máximo, à 30 eternos e angustiantes
segundos, é como um masoquismo da minha mente, que aprecia estranhamente,
Esta sensação, aparentemente incômoda, porém deliciosamente acônita!

                                                                        Gabriela Duarte

P.s: Este foi o primeiro  texto que escrevi,
só resolvi postá-lo agora, é o meu queridinho, 
espero que tenham gostado, bjs!

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

A verdade

Eu já nem ligo que seja de outro algumas vezes
Nem ligo que mude de amor todos os meses
Eu nem sinto mais o seu cheiro e já nem sinto seu toque
Apago todos os traços antes que eles me sufoquem

Eu já nem ligo se os teus beijos não são mas meus
Se minha boca não desliza mais nesse terno corpo
Eu já nem sinto mais a dor do adeus
Tampouco, choro por sentir sua falta

Nem ligo se passeias com outro naquele velho carrossel
Se a canção que cantávamos possui um novo tom
Se não me tens mais como teu tudo, teu chão, teu céu
Se beijas outra boca e agora usando batom

Eu já nem ligo porque sei que não me amas
Eu já nem grito pois outra voz estás proclamando
Eu já nem sinto o seu cheiro que há muito está se espalhando
Mais a verdade, a verdade; é que eu continuo te amando.

                                                                                                                 Jean Lacerda.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

O mundo de um psicopata

Se eu acreditasse em pecado
Se eu acreditasse em Deus
Aqui, seria onde eu iria direto para o inferno
Se eu acreditasse em Inferno

Se eu acreditasse em amor
Em felicidade, e alma gêmea
Aqui; infinitamente triste, eu morreria sozinho
Se eu acreditasse na solidão

Se eu acreditasse nos sonhos
Nos desejos e nas vontades
Aqui, seria onde eu viveria tudo que é irreal
Se ao menos eu acreditasse na ilusão

Se eu acreditasse em sentimentos
Nos seres e a na poesia
Aqui, seria o lugar onde todos viveriam
Aqui, bem aqui no meu próprio mundo.

                                                                                                           Jean Lacerda.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Um pensador romântico

Inquietações eu possuo em meu peito
A minha mente já não para no lugar
Eu só queria um tempo, igual a quando me deito
Onde fico sozinho e não sinto o tempo passar

Um tempo pra me colocar nos eixos, me organizar
Um tempo sentindo que eu sou meu, só meu
Um tempo sem satisfações, ligações ou sentimentos
Eu não queria ter que ser Deus em todos os momentos

A realidade pura é que sei o que quero e quem sou
Eu só não sei o que eu sinto
Ainda possuo as vontades que do meus tempos de criança sobrou
E vivo tão sufocado que já nem sei que horas são

Qual problema é esse que comove a minha'lma?
O problema sou eu, os outros ou o mundo?
Pessoas vem e vão, e eu sequer dou adeus
A vida, os seres, seriam assim no submundo?

Afinal, se tudo passa, eu hei de passar
Eu tenho alguns corações comigo
Eu tenho abraços, ombro amigo
Eu deixarei marcas, por cada canto que trilhar.

                                                                                                                Jean Lacerda.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Um amor em segredo

Falar contigo é tão difícil
Assim como encarar o seu olhar
Te ver me olhando desse forma sutil
Me tira o fôlego, me faz parar de respirar

Seu cheiro tão doce e seu tom ligeiro
Seus cabelos tão lindos quanto a sua face
Te ter tão perto me paralisa o corpo inteiro
E eu me prendo nesse sonho antes que ele passe


Os seus lábios tão sedutores que nunca me beijaram
E a sua voz tão doce que o meu nome nunca pronunciou
As suas mãos tão pequenas que jamais me tocaram
Te desejo em segredo, meu mais novo amor

És diferente, diferente de todas que já amei
És bem mais pura, mais pura do que o límpido oceano
Uma migalha de teu amor e eu me sentiria um rei
Só te tendo em meus braços, minha completude de humano.

                                                                                                         Jean Lacerda.