segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

No remanso da inquietude.


Talvez essa inerente vontade de viver seja meu estigma.

“Serenos olhos inconstantes” me diz o espelho;

O corpo palpita entre picos de desejo e rejeição a tudo. A todos.

Esse modo de ser, por vezes, é exaustivo.

Nada me mantém.

Trago sempre esse coração remoçante dentro do peito;

Como curar esse cansaço corriqueiro que sinto das rotinas e pessoas?

Como fazer para que meus desejos não sejam constantemente tão efêmeros?

Ás vezes quero agora, se demora, nunca mais...

Há quem diga que levo um sorriso no canto da boca;

Há quem diga que transmito paz.

Levo pouca coisa na bagagem: Muita fé, algumas lembranças e a certeza de que para ser feliz não é preciso nada demais.


                                                                                                          
                                                                                                                  Gabriela Duarte.